Neuralgia do trigêmio

 

Existe um nervo responsável pela sensação da maior parte do rosto e da boca. São sensações que incluem a percepção de tato, pressão, calor, frio e dor. O nervo em questão é chamado de trigêmio[1].

Algumas pessoas, principalmente em pessoas de meia-idade e idosas (60-80 anos), sentem dores muito intensas em regiões onde o nervo trigêmio atua. Os locais mais comuns da dor são: queixo, bochecha, lábios e gengiva. As dores duram poucos segundos, dificilmente durando mais do que dois minutos. Muitas pessoas confundem essa dor com uma dor de dente, e procuram serviços odontológicos para arrancar os dentes, o que não resolve a dor.

Aproximadamente na metade das pessoas que sofrem dessa doença, chamada de neuralgia do trigêmio[2] ou tic douloureux[3], existem áreas do rosto, dos lábios ou da língua que, se estimuladas ou movimentadas podem iniciar a dor. Estas áreas são chamadas de zonas de gatilho, ou trigger points.

Há vários medicamentos que podem ser utilizados para tratar a neuralgia do trigêmio. A maior parte deles são drogas anticonvulsivantes. Também há a possibilidade de cirurgia. As principais cirurgias utilizadas são:

1)  Lesão do nervo ou do seu gânglio por radiofreqüência ou aplicação de determinadas substâncias (como glicerol, fenol, entre outras)

2)   A chamada descompressão microvascular, quando há uma artéria ou veia que comprime a raiz do nervo trigêmio.

Em algumas pessoas, a neuralgia do trigêmio pode ser causada por outra doença. Entretanto, na maior parte das pessoas, não se sabe por que ela ocorre. É por isso que todo paciente que sofre dessa doença tem que procurar um médico especializado (clínico de dor ou um neurologista) para tratar a doença e estabelecer se a doença é causada por outro problema ou não.

 

 

 

 


 

[1] Assim chamado porque este nervo se divide em três ramos: oftálmico, maxilar e mandibular.

 

[2] Literalmente, neuralgia significa “dor no nervo”. Vem do grego clássico , nervo, e , dor.

[3] Do francês, que significa “tique doloroso”